sexta-feira, 17 de junho de 2011

Como num filme de T.V. A CABO...



Hoje quem provocantemente, me tirou para dançar foi a vida.
Só porque revelei a ela, que namorava escondido as estrelas e o luar.
por conta desse amor, dormi poucas horas minha querida.
E no menu de minhas noites,não caberia tanto o sonho de sonhar.

Muito bem ! Confesso que quando desesperado ,me apeguei a ilusões,
Até porque,decididamente preciso mesmo é de muitas ajudas.
Não vi o tempo,mas reparo que ele em mim passou por inúmeras razões.
Sei sim que as flôres não me sorriram ,e no entanto ,foram delicadamente mudas.

Imagino que os humanos nem primaram comigo pela sinceridade.
E é bom ter certeza do que em mim ardorosamente desejaria,
Mas se o que eu mais queria,nem fosse o que eu mais queria na verdade.
Ao me pegar, procurando no arco-iris , cores que o tempo esconderia.

Juro que jamais almejei, ser presidente ou dono de alguma empresa,
Nem visitei Costa Rica e caminhei pelas praças com um velho e doce cão.
Sei sim, que o pão e a margarina deveriam e não são abundantes em minha mesa.
E minhas melhores histórias,se esconderam de todos no antigo sotão.
Se contudo não me perdoares mando-te uma carta-desculpa como defesa.
No finalmente mesmo,me sinto neste instante, tão leve como a lã e o algodão


AlcyrGuimarães

A Francophonie no meio do mundo

No dia 1° de setembro professores e alunos do curso de francês do Centro Cultural Amapaense estiveram no #lecafebistrot ,localizado ...