segunda-feira, 27 de junho de 2011

Um computador por aluno...


O projeto OLPC (em inglês, One Laptop Per Children) foi apresentado ao governo brasileiro no Fórum Econômico Mundial em Davos - Suíça, em janeiro de 2005. Em junho daquele ano, Nicholas Negroponte, Seymour Papert e Mary Lou Jepsen vieram ao Brasil especialmente para conversar com o presidente e expor a idéia com detalhes. Após o encontro uma comissão foi formada para avaliar e apresentar um relatório do projeto, dando início ao programa piloto.
O Programa Um Computador por Aluno - PROUCA, com objetivo Educacional o projeto utiliza a tecnologia, inclusão digital e adensamento da cadeia produtiva comercial no Brasil.




No Amapá 7 municípios foram beneficiados: 
Amapá (1 escola - EE ESCOLA ESTADUAL VEIGA CABRAL), Macapá (02 escolas - EE ESCOLA ESTADUAL PREDICANDA AMORIM LOPES, EMEF ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL ARACY NASCIMENTO), Mazagão (1 escola - EM ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL DOMINGOS VALENTE BARRETO), Porto Grande(1 escola-EMEF ESCOLA MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL ADAO FERREIRA DE SOUZA), Santana (1 escola-EE ESCOLA ESTADUAL FONTE NOVA), Serra do Navio(1 escola-EE ESCOLA ESTADUAL SETE DE SETEMBRO) e Tartarugalzinho(1 escola-EE ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR JOSE DE NAZARE F LIMA).






.: A Escola Municipal de Ensino Fundamental Aracy Nascimento, localizada no bairro Santa Rita, na Rua Marcelo Cândia,em Macapá - AP, está vivenciando uma experiência pioneira com a implantação do Projeto UCA (Um Computador por Aluno), do Mininistério da Educação.
Mesmo em reforma há mais de um ano, com poucas condições de trabalho, a equipe de professores se esforça para fortalecer o projeto, que atrai os alunos por causa da novidade tecnológica que mais parece um briquedo: um laptop com vários softwares educativos instalados, maior interatividade entre aluno,professor e conteúdo.
O que chamou a atenção dos professores foi o grande interesse que os alunos dispensam às atividades, desenvolvidas por pedagogos e técnicos do MEC que criaram os programas. Uma das professoras declarou que eles lancharam o mais rápido que puderam e retornaram à sala de aula anisosos por continuar usando a nova ferramenta. Percebe-se nitidamente a mudança de paradigmas na educação com o surgimento das mídias, que mesmo ainda enfrentando resistência e preconceito por parte dos burocratas que permanecem nas secretarias de educação Brasil afora, e inclusive dentro do MEC, com certeza é o caminho que o país deve trilhar para ofertar uma educação de mais qualidade e capaz de atrair os jovens internautas que passam grande parte do tempo diante de uma tela de computador:.

Paulo Tarso Barros

A Francophonie no meio do mundo

No dia 1° de setembro professores e alunos do curso de francês do Centro Cultural Amapaense estiveram no #lecafebistrot ,localizado ...