domingo, 13 de janeiro de 2013

Nobreza, bravura e sacrifício...


Hérois da grande tela eles figuram em selos de mais de 80 países. Sua divisa "Nobreza, bravura e sacrifício".O São Bernardo é uma lenda e um símbolo Nacional. Sua raízes são encontradas a 2469 m de altitude no Grand-Saint-Bernard antigamente chamado de Monte Joux, perto da fronteira com a Itália.
No século XI, São Bernardo de Aoste fundou uma casa(Hospice du Grand-Saint-Bernard) para abrigar os viajantes e pelegrinos. Neste refùgio foi criado, vários séculos depois, a raça dos cães de montanha que levará seu nome.
São Bernardo de Menthon
Mas a origem desses bravos cães podem ser mais antiga e distante...
Há mais de trinta séculos nas regiões baixas do Oriente Médio foram encontradas uma raça de cães de incrível semelhança com o São Bernardo. Seus ancestrais seriam de robustos cães de guarda de rebanhos que teriam vivido na Asia Menor até os confins do Himalaia.
Marco Polo em seu retorno da China em 1270, escreveu em seu diário de viagens seu encontro com o "Cão do Tibet", um cachorro grande como um asno e tão feroz quanto um leão. As guerras e o comércio teriam levados alguns destes animais para a Grécia, depois para a Itália e enfim para Helvétia(antiga pronvincia dos Alpes do sul) através dos passos de Julio César e seus exércitos que atravessavam os Alpes.
Documentos antigos datando de 1750 revelam que os cães São Bernardo eram utilizados como guias salva-vidas pelo seus dotes de orientação e grande força, descobriam corpos até 6 metros de profundidade na neve. Alguns diziam até que eles podiam prever as avalanches. Durante séculos estes preciosos guias ajudaram a salvar inumeras pessoas dos perigos das montanhas. Graças à eles que os 250 000 soldados do  exército de Napoleão atravessaram os Alpes sem problemas. Era a grande época do cão Barry(São Bernardo) que teria socorrido de 1800 a  1812 quarenta pessoas, antes de ser morto pela 41ª vítima - um velho soldado de Napoleão que atirou e matou o cão pensando que era um lobo.
Hoje seu corpo é conservado no Museu de História Natural da cidade de Berne na Suiça e um monumento (foto abaixo) foi erguido em sua homenagem na entrada do cemitério de cães na cidade de Asnières-sur-Seine perto de Paris.Portanto, ele contribuiu enormemente para a popularização do ícone do cão salva-vidas com sua barrica de água da vida amarrada no pescoço, destinada à reanimar as vítimas.
Cão Barry exposto no Museu de História Natural de Berne-Suiça
Em memória do cão heróico, o nome Barry é dado ao mais bonito jovem cão do canil. Para melhorar sua consanguinidade da raça e deixá-la mais forte, houve o cruzamento da raça na metade do século XIX com os cães da raça Terra-nova, cães de pelos longos de força e vivacidade.

Em 1887, o São Bernardo estava estava oficialmente reconhecido como raça de origem Suiça. Hoje seus representantes não guardam mais a casa que servida de refugio, seu caminho de acesso é fechada no inverno.
Os cães da raça São Bernardo foram substituidos por cães mais ágeis e leves,  como os belgas alemães e labradores, que são mais adaptados para subirem nos helicópteros de socorro. Aparelhos chamados "Barryvox" foram criados para encontrar as vítimas das avalanches.
Em consequência depois de 2005 a criação dos cães São Bernardo  foi confiada à Fundação Barry a Martigny, situado na região de Valais na Suiça. Eles passam o inverno no vale onde 50 000 visitantes comparecem todos os anos para admirá-los. As crianças adoram acariciar, mas são proíbidas de montarem,  pois eles sofrem de uma doença que ataca seus mùsculos. Outros problemas como o câncer, de estômago e de visão foram detectados depois do cruzamento das raças. Antigamente sua esperança de vida era de 14 anos e hoje de apenas 8 anos.
Felizmente graças aos donativos, apadrinhamentos  e vendas de cães em pelucia e outras atividades, a Fundação Barry recebeu cerca de 4 milhões de francos suiços em 2010, uma ajuda essencial para preservar a raça que atualmente somam pouco mais de 600.
Um unico São Bernardo "Justin" perpetua  a tradição de cão de avalanche. Depois de 2007 alguns são investidos em uma nova missão social: eles fazem visitas aos moradores de asilos para diverti-los e um trazer um pouco de reconforto.

A Francophonie no meio do mundo

No dia 1° de setembro professores e alunos do curso de francês do Centro Cultural Amapaense estiveram no #lecafebistrot ,localizado ...