sábado, 21 de julho de 2012

o charme do passado e do presente a Versalhes

o Anjo Mary Poppins
O Palacio de Versalhes inspira e transpira arte por exelência, um lugar magico e de transformação, onde o passado e o presente se fundem em uma metamorfose de liberdade criativa através da obra contemporânea de Joana Vasconcelos. 
A exposição Joana Vasconcelos a Versalhes teve inicio dia 19 de julho e vai até 30 de setembro de 2012. Joana Vasconcelos nasceu em Paris e vive e trabalha em Lisboa. A caracteristica do processo criativo da artista tem como bases a apropriação, a descontextualização e uma outra versão de objetos existentes do cotidiano.Um olhar criativo através das tecnologias de deslocamento através da arte pop gerando ao mesmo tempo um critica sobre a sociedade comtemporânea de diferentes identidades e classes sociais. A primeira mulher a ser convidada para expor ao Palácio de Versalhes.
Par de escarpins gigantes à Marylin feitos de caçarolas inox

Carruagem de Maria Antonieta versão contemporânea

As duas lagostas em cerâmica parecem esperar a chegada dos monarcas onde sera servido o menu real. Elas são recobertas de crochê que remetem à causas habituais entre a cultura popular e a cultura erudita . Face à face Dauphin e Dauphine vestidos com sensuais criações feitas através das mãos das mulheres artesãs da Ilha de Açores, uma ligação entre a sexualidade e a gastronomia.
Leões vestidos de crochê

O leão é o simbolo absoluto do poder masculino.Esses dois leões são feitos de marmore do Afeganistão. Nesse contexto eles simbolizam através dos bordados que os deixam mais femininos. Uma maneira de mostrar a chegada do poder feminino ao Palácio de Versalhes.

A Walquiria dourada
A representação da realeza e da geração bling-bling. Esta obra é inspirada nos vestidos de Versalhes confeccionados com tecidos da época. Uma superposição de tecidos diferentes e cores, un patchwork incrivel através de meses de trabalho.
Enxoval de Walkirias
Suspensos no teto do Palácio de Versalhes as grandes obras insolitas de corpo têxtil ressuscitam as técnicas artesanais do trabalho tradicional feminino associando produto em série, a idéia que o mundo é uma opera através das mãos que fazem arte.
Versalhes encarna o ideal estético e luxuoso que o animam.
o coração independente vermelho
o coração negro
Feito de facas o coração negro transpassado de dor e o coraçéao vermelho pica de prazer através de suar armadura de garfos.
Champagne Azul

Herdeiros da fusão do ready-made, do realismo e do pos-modernismo, assim a Champagne Azul nos remete ao prazer da mesa, tema igualmente abordado nas estatus e fachadas norte em frente ao prédio central - e ao processos de identificação nacional que a gastronomia deseja. A confrontação o primeiro ready-made de Marcel Duchamp – Porta-garrafas (1914) – é abertamente assumido através de uma estratégia  de espera pela causa generalizada da permanência de valores estéticos e dos principios do comportamento humano em seu territorio da historia da arte.



Joana Vasconcelos :" As obras aqui expostas existem para este local, eu as criei em metamorfose temporal com o Palacio. Quando estou percorrendo suas salas e seus jardins, eu sinto a energia de um espaço entre a realidade e o sonho, o cotidiano e a magia, a festividade e a tragédia. Eu escuto ainda o eco de Maria Antonieta, a musica e o ambiente festivo dos salões. Como seria  a vida a Versalhes se este universo exuberante e grandioso fosse transferido para nossa época?"
Para ver e saber mais sobre Joana Vasconcelos:http://www.vasconcelos-versailles.com

A Francophonie no meio do mundo

No dia 1° de setembro professores e alunos do curso de francês do Centro Cultural Amapaense estiveram no #lecafebistrot ,localizado ...